A SAMARITANA

 

Na Samaria, enquanto os companheiros

foram suprir a bolsa de alimentos,

Jesus, parou de andar dias inteiros,

propôs-se repousar alguns momentos.

 

Sentou-se o Nazareno ao pé da fonte,

O sol brilhava em raios refulgentes.

Havia ali um poço ao pé do monte,

que Pai Jacob legara aos descendentes.

 

Foi a mulher samaritana ali,

para tirar da linfa deliciosa.

Ao ver de pronto, o vulto do Rabi,

ficou assim um tanto receosa.

 

Pois quem seria o tal desconhecido,

de tão sublime olhar, tão lindo aspecto,

que ali estava a cismar, tão recolhido,

assim tão majestosamente quieto?

 

O Mestre ao vê-la, deu-lhe a perceber

que tinha sede e disse, em tom bondoso:

¾ Mulher: se queres, dá-me de beber,

pois vai o dia muito caloroso.”

 

Ela, mirou-o mais. Depois, por fim,

um tanto embaraçada, respondeu:

¾ Pois como pedes de beber a mim?

Eu sou samaritana e Tu judeu ...?

 

¾ Se escutasses a voz mais interior

e julgasses de modo mais profundo,

saberias que Eu sou distribuidor,

da Água da Verdade neste mundo.

 

E se tivesses visto o dom de Deus

e fosse tua consciência mais ativa,

saberias quem sou entre os judeus,

e tu Me pedirias Água Viva!”

 

¾ Água Viva? ... Mas é tão fundo o poço,

que não podes cumprir esse desejo ...

Se a não podes tirar deste colosso,

onde tens, pois, a água, que não vejo?

 

Maior que Pai Jacob, és porventura?

Ele nos deu o poço no passado

e todos tem bebido com fartura,

o líquido que é sempre renovado ...”

 

Mas disse-lhe Jesus, todo bondade:

¾ Quem bebe desta água, Eu te asseguro,

por mais que beba e beba a saciedade,

terá contínua sede no futuro.

 

Esta que Eu dou, porém, é que sacia;

e não se tira de qualquer cisterna.

Quem dela bebe, é fonte que irradia,

emana a água para a vida eterna.”

 

¾ Senhor! ¾ disse a mulher ¾ dá que Tu dás

eu beberei agora alegremente.

Assim, não terei sede e terei paz

sem ter que vir aqui constantemente.

 

¾ Pois vai então chamar por teu marido,

¾ disse o Rabi ¾ e vem aqui depois.

Assim, não ficará como esquecido,

e do que Eu der a ti, darei aos dois.”

 

 

Marido? ... Mas ... e um súbito rubor

roçou-lhe o rosto. Mas, com certo empenho,

algo nervosa, respondeu: “¾ Senhor!

Não poderei chamar o que não tenho.”

 

E, sentenciou, Jesus, profetizando:

¾ Numa verdade pura Me disseste.

Não é teu quem contigo está morando.

Maridos ... sei que cinco já tiveste ...”

 

¾ Senhor! Tu és profeta! Tu és profeta!

¾ Exclamou a mulher admirada ¾

pois como dás sentença tão correta,

sobre coisa que eu não Te disse nada?

 

Diz-me, então alguma coisa mais:

onde adorar a Deus? Aqui ou além?

Neste monte conforme nossos pais,

ou lá na capital, Jerusalém?”

 

¾ Ouve-me bem, mulher, ¾ disse o senhor ¾

Trago Comigo histórico momento.

Os que procuram luz e puro amor,

adorarão o Pai em pensamento.

 

Deus é o espírito da humanidade,

A mais pura e perfeita adoração,

sejam feita em Espírito e Verdade,

com um altar em cada oração.

 

¾ Espera-se o Messias, bem o sei.

¾ disse a mulher, buscando assunto novo. ¾

é o Cristo que há de vir. E será Rei.

E tudo ensinará ao nosso povo.”

 

¾ Por hoje ¾ Ele lhe disse ¾ vou findar

De nada mais precisas depois disto.

Procura neste momento recordar.

Eu que falo contigo ... Sou o Cristo!

 

 Livro: Flores de Outono -Autor: Jesus Gonçalves


<- Voltar