Os mortos verdadeiros


Vós que guardais dos mortos a lembrança,
Sois também, nos espaços, recordados,
Nos eternos caminhos aureolados
Pelos clarões da Bem-aventurança!
No país da Verdade e da Bonança,
Nós ouvimos as súplicas e os brados
De pobres corações despedaçados,
No cadinho da mágoa ou da esperança.
Das vibrações ignotas das esferas
Nós que fomos os homens de outras eras,
queremos mitigar a vossa dor!...
Sois os mortos nos círculos da Vida,
Nos sepulcros de carne apodrecida,
Desejosos de paz. De luz e amor!..

João de Deus (Soneto psicografado em 1937)

 

< Voltar