Essas Outras Crianças

 

Quando abraças teu filho, no conforto doméstico, fita essas outras crianças que jornadeiam sem lar

 

Dispões do alimento abundante para que teu filho se mantenha em linha do robustez.

 

Essas outras crianças, porém, caminham desnorteadas, aguardando os restos da mesa que lhes atira com displicência. findo o repasto.

Escolhes a roupa nobre c limpa do que teu filho se vestirá, conforme a estação.

Todavia, essas outras crianças tremem do frio, recobertas do andrajos.

Defendes teu filho contra a intempérie.

sob o teto acolhedor. sustentando-o a feição do jóia no escrínio.

Contudo, essas outras crianças cochilam estremunhadas na via pública quando não só distendem no espaço asfixiante do esgoto.

Abres ao olhar deslumbrado do teu filho, os tesouros da escola.

E essas outras crianças suspiram debalde pela luz do alfabeto, acabando, muita vez, encerradas no cubículo das prisões, a face da ignorância que lhes cega a existência.

 

Conduzes teu filho a exame do pediatras distintos sempre que entremostre leve dor do cabeça.

Entretanto, essas outras crianças minadas por moléstias ferozes, agonizam em leitos de pedra, sem que mão amiga as socorra.

 

Ofereces aos sentidos de teu filho, a festa permanente das sugestões felizes, através da educação incessante.

 

No entanto, essas outras crianças guardam olhos e ouvidos quase sintonizados no lodo abismal das trevas.

 

Afaga, assim, teu filho no trono familiar, mas desce ao pátio da provação, onde essas outras crianças se agitam em sombra ou desespero e ajuda-as quanto possa!

Quem serve no amor de Cristo, sabe que a boa palavra e o gesto de carinho, o pedaço de pão e a peça de vestuário, o frasco de remédio e a xícara de leite operam maravilhas.

Proclamas a cada passo que esperas confiante o esplendor do futuro mas, enquanto essas outras crianças chorarem desamparadas, clamaremos em vão pelo mundo melhor.

 

Ditado pelo espírito de EMMANUEL

 Médium: Francisco Cândido Xavier

 

 

< Voltar