Os 10 Mandamentos da Boa Convivência

 

I - Tenha controle de sua língua. Sempre diga menos do que pensa. Cultive 
uma voz baixa e suave. A maneira como se fala muitas vezes impressiona 
muito mais do que aquilo que se fala.


II - Pense antes de fazer uma promessa e depois não de importância ao 
quanto lhe custa.


III - Nunca deixe passar uma oportunidade para dizer uma coisa meiga e 
animadora a uma pessoa ou a respeito dela.


IV - Tenha interesse nos outros, em suas ocupações, seu bem-estar, seus 
lares e famílias. Seja alegre com os que riem e lamente com os que choram.
Deixe cada pessoa com quem encontra, sentir que você lhe dispensa 
importância e atenção.


V - Seja alegre. Conserve para cima os cantos da boca. Esconda as suas 
dores, deus desapontamentos e inquietações sob um sorriso. Ria de
historias boas e aprenda a contá-las.


VI - Conserve a mente aberta para todas as questões da discussão. 
Investigue, mas não argumente. E marca de ser superior... discordar e
ainda conservar a amizade.


VII - Deixa as suas virtudes falarem por si mesmo e recuse a falar das 
faltas e fraquezas dos outros. Desencoraje murmúrios. Faca uma regra de 
falar coisas boas aos outros.


VIII - Tenha cuidado com os sentimentos dos outros. Gracejos e humor não 
valem a pena e freqüentemente magoam quando menos se espera.


IX - Não faca caso das observações mas a seu respeito. Só viva de modo que
ninguém acredite nelas. Nervosismo e indigestão são causas comuns para 
maledicência.


X - Não seja tão ansioso a respeito de seus direitos. Trabalhe, tenha 
paciência, conserve seu temperamento calmo, esqueça de si mesmo e recebera
a sua recompensa.


Caridade: benevolência para com todos, indulgência para
as imperfeições dos outros, perdão das ofensas. (LE, 886)

 

 

 

< Voltar