Espírito José Elson Fontes – Aracajú - Sergipe

Psicografia Shyrlene Soares Campos

Arauto de Luz - Março de 2001

Sou de Aracajú, fui espírita, um servo em aprendizagem com os nossos irmãos, companheiros da tarefa cristã. Sempre acreditei na juventude, por ser o jovem uma terra fértil que aceita tarefas com entusiasmo e está pronto para realizar e analisar.

Com outros confrades abnegados, formamos a juventude espírita Sergipana e o Jornal “Juvenil”, que tantas alegrias nos proporcionou. No rádio, nossos tarefeiros, aliados de ideal e de cristianismo, realizávamos o programa: “Roteiro do Cristo”.

Fui uma pessoa privilegiada. Recebi de Deus uma companheira terna e cristã, mas que me permitiu ser cercado por uma constelação de filhas belas e inteligentes, Elna, Vera, Carmelita, Lucia e Marília.

Como fui abençoado por uma família especial e por amigos que, muitas vezes, ignorando meus defeitos, de ser encarnado, depositavam em mim, confiança e solidariedade.

Ao chegar ao Plano Espiritual, após ter sido atropelado por uma motocicleta, e ter permanecido no Hospital por algum tempo, aqueles momentos de expectativa para os familiares, para mim, representavam o exaurir das forças vitais, para ser melhor atendido nas minhas necessidades.

Embora tivessem passados 70 anos, me senti cheio de vida e entusiasmo. A gente sempre quer viver. Mas, ao chegar no Plano Espiritual, verifiquei que aquilo que idealizávamos como a “Casa da Campanha do Quilo”, uma construção grande, já estava projetada para ser construída.

“Me” identifiquei com este Núcleo devido aos elos fraternos que se formaram recentemente com Aracajú. Encontrei tarefas semelhantes e o ideal cristão da caridade a palpitar fremente no coração de todos... E o entusiasmo dos jovens... Primeira preocupação minha em anos idos e vividos.

É bom receber o abraço sincero e amigo dos espíritos que só conhecíamos como Mentores num outro Plano de Vida.

Aqui, migalhas se transformaram em Banquete, ficamos a pensar como, realizando tão pouco, recebemos tanto! Meus abraços já acolheram seres queridos, familiares amados...

Mas, esse marco na Terra foi muito importante, era o resgatar e o amar, era superar dificuldades e avançar, era o aprender com o Evangelho e ensinando-o, aprender ainda mais.

Vejam como não existem fronteiras para aqueles que conservam no coração o ideal de servir com Jesus e o caminhar com o Amor. Avante na luta redentora, vale mais a pena lutar, vencer, chorar e recolher os sorrisos do aflito e do faminto, consolado e saciado nas suas necessidades.

Avancemos, que este milênio seja melhor que o ano 1000, porque mais 1000 chances nos aguardam no Céu e na Terra neste terceiro milênio. Paz em todos nós!

 

< - voltar à página anterior