Uma visão Espírita da luxúria

A luxúria , que se constitui em um dos sete pecados capitais , é uma ótima base de estudo a nós outros que estudamos o espiritismo.

Sabemos que a luxúria , é o desejo do ser em gozar e usufruir de um prazer Indistinta- mente , seja no campo do dinheiro , de bens materiais , do sexo , etc. Dos sete pecados capitais este é o pior , pois , está diretamente ligado a todos os demais , sendo , por sua vez , o que mais se opõe à perfeição moral.

De onde sai a vontade incessante do ser , em passar por cima das leis naturais da vida , como  , por exemplo , a lei de procriação? Sim , pois , em nosso meio social muitos se utilizam das energias genésicas , somente para fins de obter prazer , se negando à finalidade maior que é , justamente , a perpetuação da espécie.

Poderemos atribuir a nossa Luxúria ao instinto . quem ler a  Obra “A origem das Espécies” de Charles Darwin , poderá ter um panorama do que venha a ser a seleção natural na lei do mais forte. Mas a questão não se encerraria aí , dado ao fato de esse mecanismo obedecer a necessidade do animal em devorar somente o suficiente para o seu sustento e

se quiserem , para a sua perpetuação . Logo podemos concluir que o animal age de acordo

com as leis da Natureza .

O evangelho ( segundo Emmanuel na Obra O Consolador ), é o maior antídoto contra os venenos morais . Jesus sempre nos apontou a retidão, a humildade, o reto viver, como solução contra a loucura .

Francisco de Assis foi um dos maiores exemplos , no mundo , de luta contra a luxúria. Dono de uma grande fortuna , e de facilidades incontáveis , logrou desfazer de toda a sua riqueza e lutou , incansavelmente , contra todas as paixões que poderiam aprisiona-lo.

Segundo o que estudamos nas Obras de Allan Kardec, o ser, em sua primeira encarnação como Humano, não possui paixões, portanto, é desprovido de evolução.  À medida que vai reencarnando, imprimi a cada experiência na carne , as conquistas e os vícios que, segundo Joanna de Ângelis , são atavismos que trazemos do passado necessitados de serem educados.

Não erremos mais, atribuindo à carência afetiva, os erros que correspondem, direta- mente, a nossa conduta íntima.Tenhamos fé, acreditando na Espiritualidade Superior, que sempre nos ampara na luta contra os nossos defeitos. O Senhor que sustenta os mundos com o seu pensamento, nos sustentará sempre .