LIBERDADE: REFLEXÕES SOBRE OS CONCEITOS DE JESUS

Espíritos verdadeiramente missionários e iluminados pela Luz da razão não admitem místicas na interpretação dos ensinos de JESUS, que não foi místico, mágico ou ilusório.

Nesse sentido, realçam tais Espíritos a profundidade filosófica e social dos ensinos que ele proferiu, todos no sentido de ressaltar a importância da Liberdade, como bem essencial do Ser, como patrimônio inalienável da criatura, haja vista que uma das mais eficazes concessões do Criador à criatura é a Razão da qual deriva o Livre Arbítrio - liberdade de agir segundo seus interesses evolutivos.

A máxima mais expressiva do Nazareno nesse sentido é uma recomendação a todos nós: "Conhecereis a verdade e ela vos libertará"! (João, 8:32). Vale dizer: a verdade liberta das algemas da ignorância e da crueldade. Não é por outra razão que os Espíritos, ao lado do mandamento fundamental "Amai-vos", ditaram um outro, exatamente baseados na recomendação de Jesus sobre a verdade: "Instruí-vos!".

Pode-se aplicar, sem sobra de dúvida e sem medo de erros, à noção de liberdade todos os demais principais preceitos legados por Jesus, senão, veja-se:

"A cada um segundo as suas obras" (Mateus, 16:27): resume a fixação da responsabilidade individual, que implica necessariamente na libertação da ignorância dos efeitos dos atos de cada um; ou melhor: se cada um tem consciência de que seus atos produzem efeitos (bons ou maus), adquiriu a plena liberdade de praticá-los ou evita-los; na ignorância, está tolhida essa liberdade de ação.

"Não penseis que vim revogar a Lei"(Mateus, 5:17): com o respeito à lei (sobretudo a de natureza moral a que Jesus se referia: a lei antiga, trazida pelos profetas, pelos prepostos do Bem, naquilo que havia de mais universal), haveria a liberdade da escravidão das imposições dos vícios e defeitos humanos.

"Há Muitas Moradas na casa do meu Pai" (João, 14:2): liberdade de escolha dos mundos em que pode ser feita a evolução, respeitada a identidade de aptidões, tendências, virtudes e defeitos.

"Ninguém Verá O Reino, Se Não Nascer De Novo" (João, 3:3): a reencarnação (as vidas sucessivas) é o símbolo da possibilidade de libertação dos erros do passado rumo à perfeição, já que somos imortais.

"Sede Perfeitos" (Mateus, 5:48): a liberdade de evoluir sempre, indefinidamente.

"Amar (E Servir) Ao Próximo" (Mateus, 22:39): como mandamento maior: liberdade de aperfeiçoamento e dos grilhões do endurecimento e do ódio futuro.

"Não Ponhais A Luz Sob A Vasilha" (Mateus, 5:15): a liberdade de difundir as verdades e de iluminar o espírito dos seres, trazendo-lhe evolução e melhoria; em suma: a liberdade de poder ajudar a reformar os Seres.

"Vinde A Mim Os Sobrecarregados E Oprimidos E Eu Os Aliviarei" (Mateus, 11:28): libertação dos jugos e das opressões, dos males físicos e dos morais

Diante de Herodes: "É Preciso Caminhar Hoje, Amanhã E Sempre!": a libertação de compromissos que impedem a progressão infinita e observância de outros que permitam essa evolução constante.

Enfim, Jesus, com seus ensinos, fez ressaltar a MAIOR CONCESSÃO DO CRIADOR À CRIATURA: a liberdade incondicional de agir, de pensar, de forjar o seu futuro, com a responsabilidade das conseqüências: O LIVRE ARBÍTRIO

<-Voltar