A PAX ROMANA NO SÉCULO XXI

 

 Na interpretação do Evangelho de Jesus Cristo, nosso Amado e Divino Mestre, já nos advertiram os Bondosos Mensageiros do Alto, deve-se deixar a letra que mata, buscando o espírito que vivifica.

São as interpretações equivocadas, que se traduzem nas árvores não plantadas pelo nosso Pai, que levam os indivíduos a se precipitarem no abismo da ignorância, afastando-se as Leis de justiça, amor e caridade que emanam do Criador Misericordioso.

Em razão desse afastamento, é que pululam em todo o planeta, bendito educandário, toda sorte de aberrações que fomentam a violência, levando a criatura a uma plantação que lhe renderá amargos frutos.

Foi por isso que no dia 11 de setembro p.p. a humanidade assistiu, aterrorizada, os ataques terroristas que ceifaram a vida de milhares de pessoas, sob o pretexto da Paz.

Depois desse lamentável episódio, ao invés de a  humanidade refletir sobre os acontecimentos, perquirindo de suas  reais causas, encontramos a nação, tecnologicamente mais desenvolvida do planeta, com a desculpa de restabelecer a paz, promovendo a guerra e, de igual forma, aniquilando a vida de milhares de pessoas, olvidando-se que a pax romana (aquela que é obtida pelas armas e pelo autoritarismo), como utilizada pelo império romano, é transitória e irreal, porquanto a violência só gera a violência,  do que, aliás, há mais de 2000 anos, advertiu o Mestre Jesus, quando disse: que quem vive da espada, morrerá pela espada. 

O Divino Mestre, também, quando disse: "A PAZ VOS DEIXO, A MINHA PAZ VOS DOU; NÃO VO-LA DOU COMO O MUNDO A DÁ." -JESUS(JOÃO, 14:27.) deixou claro que a sua Paz não era a Paz do Mundo, no sentido de que não se pode obter a almejada PAZ quando a criatura se afasta das Leis de Deus.

O Iluminado Espírito Emmanuel, através das santas mãos do Chico Xavier, no livro "Vinha de Luz", esclarece que não é o silêncio temporário das baionetas que se traduz em paz, pois a calma no plano inferior pode traduzir,apenas, estacionamento da criatura quanto à Lei de Evolução estabelecida por Nosso Pai Misericordioso.

Queria Jesus ensinar que o processo de Paz tem início de dentro para fora de cada indivíduo, sendo ela resultado das Leis de Amor, Justiça e Caridade originadas de Deus. A humanidade ainda se encontra qual a criança que não consegue lobrigar as conseqüências de seus funestos atos, plantando árvores cujos frutos deverão, obrigatoriamente, ser colhidos no futuro.

É necessário, urgentemente, repensar essa política de fomentar a miséria e a violência que impedem, por conseqüência lógica, o advento da verdadeira PAZ, aquela que nos deu Jesus por todos os Seus exemplos e ensinamentos.

Que a PAZ de Nosso Senhor Jesus Cristo nos felicite a todos.

 

César Luiz de Almeida – um irmão em Cristo.

 

Grupo Espírita Fraternidade de Mogi das Cruzes

 

<-Voltar