O Espiritismo não advém do Panteísmo

 

Ultimamente tem-se visto bastantes veículos de informações, principalmente em sites e programas de televisão, acertivas (nada certas) sobre uma possível convergência doutrinária entre o panteísmo e a Doutrina dos Espíritos. O mais interessante se percebe quando os interlocutores ou autores da obra se dizem optar pelo espiritismo pela semelhança a doutrina panteísta.

Sobre o parágrafo acima é de suma importância frisar aquilo que é Doutrina Espírita ( trazida pelos espíritos superiores e não possui nenhuma influência do homem ) daquilo de errôneo que se faz no Movimento Espírita, inicialmente criado para divulgação da Doutrina Espírita, no entanto, algumas vezes distorcida e impregnada de "achismos" e influência de seus praticantes. Como tem sido comum tal prática.... e como tem sido prejudicial para a divulgação da nossa Doutrina dos Espíritos, sempre coesa, ponderada e fértil de bom senso.

Tal prática, ou mal prática, tem arremetido os espíritas e Centros Espíritas em harmonia com a obra codificada por Kardec, os celeiros de luz do evangelho, a uma série de esclarecimentos sincretistas e não objetivos, ao passo que os mesmos poderiam simplesmente divulgar, ao invés de desdizer e reexplicar, consumindo assim, valioso tempo de divulgação correta.

No entanto, nos detendo especificamente na proposição acima citada, a qual diz que o Espiritismo ter sido originado do Panteísmo, poderemos lançar do recurso da comparação entre ambas doutrinas e comentá-los em seguida, comentário este já realizado no,livro "Obras Póstumas" De Alan Kardec, ressaltando apenas que não se trata de formar ou eleger melhor doutrina, apenas esclarecer aspectos individuais de ambas, diferenciando-as conforme seus postulados:

Panteísmo Doutrina dos Espíritos

O Universo é divino , ou seja, Deus

 

Conforme descrito na Obra Básica "O livro dos Espíritos" de Alan Kardec, na pergunta primeira "Que é Deus?" e obtemos como resposta dos espíritos: "Inteligência suprema, causa primária de todas as coisas". Assim completamente fora do conceito Panteísta, o universo como criação de Deus e não Ele próprio.

 

 

Rejeita a crença numa entidade superior

 

 

Ainda citando a pergunta de número 1 do "Livro dos Espíritos", fica evidenciada a superioridade de Deus em todos os aspectos.

 

 

Crença numa alma que subsiste à morte do indivíduo, retornando à "matéria cósmica" e perdendo assim, a individualidade.

 

O espírito permanece após a morte do corpo mantendo a sua individualidade e conquistas, preparando-se para novas experiências na matéria, acumulando experiência, expandindo conhecimentos até a plenitude.

Podemos considerar apenas os conceitos da inexistência de hierarquias e dogmas como únicos pontos em comum entre ambos pensamentos, bastante pouco para se considerar doutrinas "afins" ou uma como conseqüência da outra. A doutrina Espírita tem como base a obra codificada por Kardec e trazida pelos Espíritos Superiores, denominados Espírito de Verdade e tem como principais idéias a existência de Deus e dos espíritos, a pluralidade das existencias e dos mundos habitados, conceitos estes na contra-mão Panteísta.

O exemplo acima é apenas uma das exemplificações de distorções encontradas no Movimento Espírita, divulgada por espíritas, encontraremos sempre tais "impressões pessoais" onde o estudo e a pesquisa espírita bem direcionada não se fizerem mister, onde a fonte de luz não se fizer verdadeira e onde verdadeira caridade e o propósito no bem não servirem de combustível no aprender e ser.

Inúmeros são os exemplos envolvendo falsas informações no Movimento Espírita, citando: a prática de ritualismo, utilização de imagens, idolatrias diversas, hierarquização de Centros Espíritas.

Não pretendemos vetar a divulgação, restringir o conhecimento, pelo contrário, temos como objetivo fomentar o estudo e a pesquisa válida, fazer brotar idéias, pautar as discussões no bom senso, nos fazer humildes e pequeninos para a aceitação de novos propósitos doutrinários-reformadores, tal como o cientista e pedagogo renomado em toda Europa do século XIX, o professor Denizard Hyppolyte Léon Rivail (mais tarde como Alan Kardec), e não "talhar" a Doutrina que é dos Espíritos ao nosso modo, criando um Movimento Espírita distorcido e engessado, retardando ainda mais a propagação da luz.

Evitar ao máximo a divulgação de falsas informações no Movimento Espírita, eis outra grande caridade com a Doutrina Espírita *. É nossa obrigação manter e expandir o valioso legado de espíritos abnegados os quais tanto contribuíram pela correta divulgação da doutrina libertadora e de consolação.

* Parafraseando Emmanuel, guia espiritual de Chico Xavier o qual diz: "A maior caridade que podemos fazer com a Doutrina Espírita é divulgá-la".

 

Pedro Henrique Valiati


<-Voltar