Qual é o sentido verdadeiro da felicidade?

 

Um certo dia, em frente da escola, uma velha “colega” de classe, chegou pra mim e ironicamente me perguntou:

- Eliza, você é feliz?

Eu fiquei pensando, respondi:

- Sou, sou feliz até demais!!!

Ela olhou bem nos meus olhos e perguntou em um tom de quem estava duvidando :

- Como você pode ser tão feliz assim?

- Mas, porque eu não poderia ser feliz? – perguntei de volta.

- Pois eu duvido que você seja feliz, simplesmente porque você tem vários problema físicos, acabou de perder sua mãe, seu pai deve ter vergonha de você, além disso, ninguém te quer como amiga, ninguém irá querer andar com uma menina igual você. Você não serve para nada. - ela  respondeu.

  Nesse momento senti uma onda de raiva passar por mim, mas, logo me acalmei, e falei:

- É, pra você ver, como com todos esse problemas ainda sou feliz ! Ela se assustou, continuei: 

- Ser feliz, não é ser perfeita, eu tenho meus problemas físicos, mas eu consigo superar a medida possível, eu perdi minha mãe, mas não vou parar minha vida por causa disso, meu pai ele nunca sentiu vergonha de mim, pelo contrário somos  muito amigos, tenho vários amigos mas, não somos de ficar andando junto o tempo todo e sei que esses amigos me querem muito bem, e eu virei "dona de casa" depois que minha mãe se foi, sou eu quem cuido do meu irmão quando meu pai não está em casa, eu que arrumo minha casa, quando é preciso até lavo lousa, ajudo meu irmão na tarefa, o ajudo tomar banho. Não fico sentada o dia inteiro vendo tv ou coisa assim, e quando não tem nada pra fazer eu arrumo. Então eu sirvo para muita coisa.

Ela saiu calada do meu lado.   Eu falei a verdade, ou melhor a minha verdade, eu sou muito feliz, não importa minhas dificuldades, ás vezes até essas dificuldades nos tornam mais corajosos para enfrenta-las, e vence-las, o que não é um muito difícil. E como é gratificante ajudar as pessoas, receber um sorriso delas. Acho que esse é o verdadeiro sentido da felicidade, e da Vida !

 

Eliza Desidério César Bento

Campinas, 22 de fevereiro de 2003

 


<-Voltar