EVOLUÇÃO

 

 

A evolução é tema complexo. A compreensão integral da marcha evolutiva do Espírito é coisa que nos escapa, na fase em que nos encontramos. Sabemos que ela se dá e é conquista de cada ser, mas nossa percepção dessa jornada é fragmentária.

 

                Desconhecemos nosso início, desde a mônada fundamental, e os passos dados por esse princípio inteligente, na esteira dos séculos, até o estágio atual. É trajetória fascinante que um dia haveremos de compreender na sua plenitude.

 

Sobre o assunto, encanta-nos os sonetos abaixo transcritos, nos quais os poetas, realizando sínteses admiráveis, expressam com beleza e rara felicidade os passos dessa caminhada do Espírito.

 

"JORNADA1

                                                                                                                             ADELINO da FONTOURA Chaves

                                               Fui átomo, vibrando entre as forças do Espaço,

                                               Devorando amplidões, em longa e ansiosa espera...

                                               Partícula, pousei... Encarcerado, eu era

                                               Infusório do mar em montões de sargaço.

 

                                                               Por séculos fui planta em movimento escasso,

                                                               Sofri no inverno rude e amei na primavera;

                                                               Depois, fui animal, e no instinto da fera

                                                               Achei a inteligência e avancei passo a passo...

 

                                               Guardei por muito tempo a expressão dos gorilas,

                                               Pondo mais fé nas mãos e mais luz nas pupilas,

                                               A lutar e chorar para, então, compreendê-las!...

 

                                                               Agora, homem que sou, pelo Foro Divino,

                                                               Vivo de corpo em corpo a forjar o destino

                                                               Que me leve a transpor o clarão das estrelas!..."

 

"EVOLUÇÃO2

                                                                                                                             Antero de Quental (1842-1891)

Fui rocha, em tempo, e fui, no mundo antigo,

Tronco ou ramo na incógnita floresta...

Onda, espumei, quebrando-me na aresta

Do granito, antiquíssimo inimigo...

 

                                                                              Rugi, fera talvez, buscando abrigo

                                                                              Na caverna que ensombra urze e giesta;

                                                                              Ou, monstro primitivo, ergui a testa

                                                                              No limoso paul, glauco pascigo...

 

                                                               Hoje sou homem — e na sombra enorme

                                                               Vejo, a meus pés, a escada multiforme,

                                                               Que desce, em espirais, na imensidade...

 

                                                                              Interrogo o infinito e às vezes choro...

                                                                              Mas, estendendo as mãos no vácuo, adoro

                                                                              E aspiro unicamente à liberdade."

 

"EVOLUÇÃO3

                                                                                                              Rubens C. Romanelli

                De muito longe venho, em surtos milenários;

                Vivi na luz dos sóis, vaguei por mil esferas

                E, preso ao turbilhão dos motos planetários,

                Fui lodo e fui cristal, no alvor de priscas eras.

 

                                Mil formas animei, nos reinos multifários:

                                Fui planta no verdor de frescas primaveras

                                E, após sombrio estágio entre os protozoários,

                                Galguei novos degraus: fui fera dentre as feras.

 

                Depois que em mim brilhou o facho da razão,

                Fui o íncola feroz das tribos primitivas

                E como tal vivi, por vidas sucessivas.

 

                                E sempre na espiral da eterna evolução,

                                Um dia eu transporei os círculos do mal

                                E brilharei na luz da Essência Universal."

 

                A síntese, em tema complexo e de forma tão abrangente, sobretudo vazada em soneto, é admirável. Partem do princípio ao puro Espírito!

                ADELINO da FONTOURA Chaves nasceu em Axixá, Maranhão, em 30.03.1855 e desencarnou em Lisboa, Portugal, em 02.05.18841.

Foi, portanto, contemporâneo do poeta português, ANTERO Tarquínio de QUENTAL, que viveu de 1842 a 1891; contudo, o soneto de sua lavra foi psicografado neste século, pelo médium Francisco C. Xavier, e publicado em 1962.

Teria o Espírito conhecimento dos textos do vate lusitano e do Professor Romanelli? E este último conheceu os outros dois sonetos? Afinal, são especulações irrelevantes, uma vez que são criações distintas, enfocando o mesmo assunto.

                Quanto ao Professor Rubens Romanelli, a segunda edição de "O Primado do Espírito" não oferece seus dados biográficos. Indica apenas datas de publicações de livros e discursos de sua autoria, no período que vai de 1940 a 1960, em Belo Horizonte, MG.

                Sentimo-nos no dever de divulgar as três peças literárias, para compartilhar esses preciosos tesouros com aqueles que sabem apreciar o belo e reconhecem a evolução como dádiva celeste!

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

 

1. XAVIER, Francisco C. Antologia dos Imortais. 2 ed. Rio de Janeiro: FEB, 1983. 345p. p. 33/4;

2. MESQUITA, Ary (org.). O Livro de Ouro da Poesia Universal. Rio de Janeiro: Ediouro, 1988. 533p. p. 490;

3. ROMANELLI, Rubens C. O Primado do Espírito. 2 ed. Belo Horizonte - 1960 (Não menciona Editora).

 

Nota: O livro "O Primado do Espírito" foi reeditado pela "Publicações Lachâtre".

 

Encaminhado à FEB, em 01.02.00. Publicado na edição de ago/2000, pág. 236.