REFLEXÕES NECESSÁRIAS SOBRE AIDS

JORGE HESSEN/DF

Os preceitos espíritas devem sensibilizar a sociedade para compreensão das doenças, da dor, sejam, elas transitórias ou não , no contexto biológico e moral do ser. Atualmente, a Aids aflige não só pela repercussão física que promove, mas sobretudo em face do preconceito. A questão da Aids tem que provocar reflexão para ser avaliada e compreendida.

No dia 07 de julho de 2002, foi realizada Em Barcelona na Espanha a Conferência Internacional sobre a Aids. Segundo a revista "Isto É" o evento apresentou dados assustadores , de acordo com Peter Piot diretor- executivo da Unaids, órgão da ONU responsável pelo combate à doença adverte: "Ainda não alcançamos o ponto máximo da epidemia, que não tem precedentes na história da humanidade." Segundo Piot , nos próximos 20 anos, estima-se que "70 milhões de pessoas perderão a vida caso os países ricos não se unam contra a Aids. Atualmente há cerca de 40 milhões de pessoas infectadas pelo vírus HIV em todo o mundo. Nas últimas duas décadas, 20 milhões de pessoas morreram em decorrência da Aids, em 2001, 3 milhões de mortes foram causadas pelo HIV.". Previsões essas corroboradas pelo Diretor de Medicina Internacional da Universidade de Cornel, Nova Iorque, o infectologista Warrem Johnson Jr.

Há muita discussão, em nível médico, em nível psicológico e também à luz das religiões, sobre o problema que cada vez aumenta mais. Não obstante, as históricas advertências o comportamento sexual tem sido fator de indigências psicológicas, pelo ultraje ao pudor que o homem lhe impõe, como uma exigência do prazer, em prejuízo do sentimento espiritual.

As perversões da função sexual redundam em sofrimento caracterizado por dores acérrimas. Quando utilizamos as energias sexuais, para as ocorrências promíscuas da degradação, vulnerabilizamos todo sistema imunológico, conspurcando a nossa estrutura psicológica e/ou fisiológica. A Aids, síndrome que vem apavorando o mundo, é o resultado inevitável do desregramento sexual. É um fenômeno que nos vem convidar a profundas reflexões. Senão, vejamos:

"Os espermatozóides conseguem atravessar orifícios ou fissuras microscópicas nos "preservativos" com freqüência suficiente para causar gravidez." Por isso muitas vezes os "preservativos" são métodos ineficazes de prevenção de gravidez. Ora, a considerar essa constatação como verdadeira, de que maneira poderia um preservativo impedir o trespasse de vírus como o HIV?

Duvidar da eficiência integral do preservativo ao contágio da AIDS é previdente até porque "estudos da OMS- Organização Mundial de Saúde atesta oficialmente ser o vírus da AIDS menor que o poro do látex, matéria prima básica dos "preservativos".

 

O homem moderno ainda vive massificado sob o guante de expressiva soma de informações erotizantes, vagueando sob o impacto de imagens (sobretudo pela televisão) que o excitam a libido, atingindo-lhe o sentimento e ofuscando-lhe a razão. Graças ao comportamento sexual em descontrole vai exibindo, nesse contexto, os mitos do prazer e do triunfo como se fosse um empilhado físico (des)governado pela carga erótica. Como se não bastassem tantos cataclismos, enchentes, epidemias de vários outros matizes, ainda o homem moderno emoldura comportamentos contrários à admoestação de Jesus Cristo a respeito dos símbolos "Sodoma" e "Gomorra".

Em face desse quadro a natureza separa os valores morais na Terra para o necessário ressurgimento das energias criadoras de um mundo harmonizado, composto por criaturas verdadeiramente moralizadas. O HIV constitui-se no mais voraz agente de expurgação da história humana. O temido vírus destrói invariavelmente o sistema imunológico , em razão disso, urge os especialistas promoverem programa educativo mais racionalizado e suficientemente eficaz ao revés de endossarem aventura permissiva "protegida" pela suposta eficácia dos "preservativos".

O Evangelho preconiza que a via preventiva contra a AIDS é o comportamento saudável, a reforma moral, o respeito ao sentimento do próximo e a fidelidade conjugal. Com a sexualidade não se brinca , por isso só a conduta cristã nesse contexto determinará, em plenitude, a imunização perfeita. Urge, destarte, sublimar esse ponto de referência mais importante da procriação!

 


<-Voltar